Artigos

AS VOCAÇÕES NA IGREJA


Vocação é um dom gratuito de Deus, dado de forma particular para cada um, é muito importante que trilhemos um caminho de descoberta, pois quando realizamos a vontade de Deus e a nossa vocação, nos realizamos interiormente e encontramos o sentido da vida.

Antes de mais, todos somos chamados àvida humana: para sermos homens e mulheres, pessoas que vivem com outras e crescem com elas; todos somos chamados à comunhão e ao serviço.

Depois, como cristãos, somos chamados a viver como Cristo. Esta vocação consiste em sermos como Cristo:

- Sacerdotes: a entrar numa relação pessoal com Deus (a dar-Lhe tempo…).

- Profetas: a anunciar o Amor de Deus aos outros e a denunciar as injustiças deste mundo, colaborando ativamente para construir o Reino que o Pai sonhou.

- Reis: a ter um olhar de bondade sobre todas as coisas/pessoas; a “dominar” as coisas, sem que elas nos dominem.

Finalmente, cada cristão é chamado a dar uma resposta pessoal (concreta, única), na Igreja. Trata-se de uma vocação mais específica: Casamento, Vida Consagrada, Vida Laical… Estas vocações específicas são formas concretas de viver e manifestar o Amor de Deus no mundo. Existem vários tipos de vocação dentro da igreja:

- Vocação ao Matrimônio: pela relação com outra pessoa, o vocacionado deseja ser na terra um sinal visível do amor de Deus, centrando-se no bem do outro, aprendendo a esperar, a perdoar e a superar as dificuldades. Através desta relação, o homem e a mulher são chamados a colaborar com Deus na Sua obra de Criação: ser colaboradores na criação e educadores da vida, de maneira especial através dos filhos.

 - Vida laical: a pessoa sente-se chamada a encarnar no mundo o Espírito de Deus, empenhando-se na transformação e “cristificação” das estruturas e realidades concretas do mundo em que vive. Nesta vida laical, a pessoa pode sentir-se chamado/a ao matrimônio ou não: há leigos que vivem o trabalho, a profissão, como modo privilegiado de transformar o mundo.

- Sacramento da Ordem (padres, bispos e diáconos): o vocacionado sente-se chamado a ser representante de Cristo, através da Palavra e da entrega da sua vida ao serviço da comunidade, para manifestar, sobretudo através dos sacramentos, o amor de Deus, fonte de graça e de perdão e a entrega de Jesus Cristo pela salvação de todos.

- Vida Consagrada (freiras/frades, monjas/monges, padres, irmãs/irmãos, leigos/as consagrados/as): pela entrega da vida, a pessoa torna-se um sinal que aponta para os valores definitivos que Jesus viveu. Depois de um tempo de preparação, a pessoa faz “votos” ou “promessas”, procurando mostrar que, com Deus no centro, é possível viver: com pouco, tendo tudo em comum (não ter nada “meu” – voto de pobreza); manifestando um amor universal, sem exclusividades (ter no coração lugar para todos, especialmente para os que ninguém ama – voto de castidade); desejando ser livres para ser enviado/a aonde for mais necessário (estar disponível para a missão – voto de obediência).

Nenhum destes tipos de vocação é melhor ou mais importante do que outro. Todas as vocações são boas e necessárias. O importante é que cada um descubra, com verdade, em que tipo de vocação pode seguir Jesus mais de perto e servir a Igreja, para colaborar na construção de um mundo mais justo e mais humano, mais à imagem de Deus.

A ANUNCIAÇÃO NOSSA SENHORA MÃE DOS HOMENS Exatamente, seria ela a... Leia mais

Localização